Loading...

It's been a hard days night!

Têm dias em que a noite é foda.


12 setembro 2009

IV
citações são maneiras de dizer o que se quer e o que se pensa mas que outros espertões inteligentes já pensaram e disseram ou escreveram e você chegou lá muito tarde porque você anda devagar e eu também mas tudo bem porque devagar se vai ao longe e caminhando cantando e seguindo a canção porque você eu não sei mas eu ando devagar porque já tive pressa mas é mentira na verdade eu ando rápido e é difícil de me acompanhar e também eu não apenas ando rápido mas eu penso rápido porque artista não pode pensar devagar e devagar não se vai muito longe e eu quero e irei bem longe lááááá longe onde ficaram minhas recordações minhas ex garotas minhas noitadas e minhas roupas rotas e na parede da memória essa lembrança é o quadro que dói mais e mais e mais mas aqui no presente isolado solitário descontente eu escrevo no escuro porque aqui tá rolando um problema nos fusívei pusquê tá tudo male das coisera e eu só sei citar e bláblá eu te amo já não dá pra esconder essa paixão que me tortura os ovos ops os olhos de admiração por tanta beleuzura formosura e gotosura mesmo que isso me usure os bolsos o cofre o pagodemento que é pra ficar atento e contente pois se soltamos o ar no fim do dia a felicidade vem no fim do mês e eu que sou freguês cliente consumidor afoito fico satisfeito em poder gastar e beijar e continuar o meu caminho que se faz ao caminhar matutinamente levantando cedo que deus ajuda quem cedo madruga desde cedo da infância se bem que são só os velhos que acordam cedo por terem pouco tempo a lhes sobrar e eles só sabem cantar e plantar e feirar ou velhar entopem as ruas com suas sacolas e carrinhos e coisas bobas de velhos como balas de hortelã que eu ganhava da minha avó sempre ela as carregava e achava que eu gostava mas eu não eu não gosto de doces mas eu sempre pegava pra não magoá-la e agora ela morreu e todos morrem ainda mais os velhos de saúde debilitada e se eu fosse médico eu seria geriatra porque de velhos eu gosto já que não gosto de crianças bobas tolas e mimadas e elas são malvadas pisam nas plantinhas e maltratam os gatinhos e cachorrinhos e outros animaizinhos que temos em nossas casas e é tudo uma piada e piadas eu não sei contar eu sempre entrego o final e é por isso que eu escrevo mal eu faço fluxo de consciência e eu não sei não consigo manter uma cadência sustentar uma narrativa eu fico com preguiça o que é natural aos seres humanos aos manos aos maurícios e todos os outros desde Alexandre o grande filho de Felipe e agora essa nova gripe tudo me assusta me surta me estimula a escrever a perseguir a seguir o meu caminho que é só meu e eu vivo a poetar e a recitar para o povo eu sou poeta eu sou artista e o artista deve ir aonde o povo está mal remunerado mal estruturado mas sempre a sorrir que é como eu pretendo levar a vida a cantar a poetar a não punhetar as mentes dos pobres colegas porque os que me lêem lêem me e o fazem por de mim deveras mal sinteticamente construída a minha sentença gostar de mim entende? saca o que eu quero dizer mano tá ligado na parada disso tudo que rola assim aqui loko vida loka de maluquice que é tudo isso e o problema continua a ser mulher para sempre a nos me atormentar nesse capítulo e nos próximos e na vida e eu ainda estou com esses problemas mal resolvidos desses dias em que a minha menina tava de cara e ela continua e acho que todas sempre ficarão de cara porque tenho geralmente os finais de semana ocupados por muito trabalho por poetagem por bobagem mas não por sacanagem não meu irmão e é tudo uma maluquice uma sandice que eu não sei se é assim que escreve e eu devo citar mais e mais porque eu comecei esse capítulo e terminei o anterior falando escrevendo sobre citar e citar é bom ou deve ser bom porque é assim que eles fazem na academia onde levam a máxima do nada se cria nada lavoisieramente se perde tudo se mantém será que é isso mesmo eu não lembro mas enfim nos trabalhos acadêmicos pelos quais tanto apreço tenho é preciso citar e citar e gozar com os paus alheios de velhos que citaram outros e continuam a citar mesmo sendo doutores e espertões inteligentes da academia que não é lugar para criar ou malcriar jovens cabeludos barbudos o dedo em v poeira e cartaz porque no presente a mente o corpo é diferente e o passado é uma roupa que não nos serve nunca mais mesmo e aqui a luz voltou mas nada de inspirar-me me aspirar a coisas maiores continuo aqui sentado cansado escrevendo bobeiras balbuciando tentando encontrar o meu caminho um lugar no meio de toda a escuridão da noite lá de fora e o pensamento na bossa-nova ou no bossa nova bar em curitiba que é linda mas é vulgar e é vulgar não usar vírgulas não pontuar não jogar e não gostar de futebol onde também se pontua e o importante é conseguir os três pontos e jogar como o professor falou e correr desesperado pelo gramado porque senão a outra única opção é cantar e batucar e pagodear pra pegar mulher e ascender socialmente e daí eu iria gostar mas eu sou branco e tô na moda e eu gosto é de mulhé não de loira burra e toda mulher já nasce pra morrer de amor como diria o grande filósofo vavá pra puta que o pariu com o morango do nordeste do sertão ou do amapá e talvez elvis o rei e michael jackson o príncipe estejam no acre já que é verdade que ele existe e um dia eu vou visitar depois logo depois que der uma passada em pasárgada pra descansar no meu leito onde terei a mulher que escolher pois eu sou amigo do rei he he roberto carlos não o locão cheirado mas o da minha querida curitiba que é bonita paca pra gente viver e poetar e caminhar a pé porque poeta só anda a pé sob a garoa não de sampa não de poa e sim do meu querido paraná que é verde menos as barrigas que isso deixamos pros catarinas que são também muito gente fina e suas mulheres muito belas de se admirar e mesmo as gordinhas as gordinhas gente fina as loirinhas tangerina boas de chucrutear na oktoberfest que logo pinta aí já no mês que vem e que venham muitos e muitos milhares de meses até o momento de pegar carona no barco lá pelos 97 anos de idade quando leminski me chamar e me falar meu filho você é tudo de bom e permita deus que tu nunca perca neguinho esse seu dom de versejar de rimar coisas que não colam de juntar incongruências mas principlamente esse seu dom de citar de iludir de recriar de criar de novo e de recriar-se na vida na arte na escola na universidade cheia de franco citadores fascistas polemistas de araque sem motor de arranque fundistas que não chegarão muito longe ao contrário de nós os maratonistas que ouvindo o voodo lounge temos um mundo a conquistar e que eu queria na verdade assim de fato na real pode crê era fazer sucesso e sossegar levar uma vida simples numa casa de campo com meus discos meus livros meus amigos e acredito que não posso mais reclamar eu sou corajoso lembram esse é o título do meu texto do meu fluxo e tô com pena daqueles que sequer podem andar eu sou um felizardo um sortudo um baita de um papudo falo mal de todo mundo e ao menos tenho as duas pernas no lugar e sou muito grato mas muita gente infelizmente sequer pode andar os seus caminhos percorrer as suas trilhas subir descer escalar então nem se fala e isso é que é tristeza e pensar que muitos doidos mandam aquela merdarada posta sobre a mesa os chapados chapam mandam pra dentro num ato nada glamouroso algo bem terrível que nada lhes alivia e eu já tô perdendo o fôlego acho que nesse capítulo vou parar logo adiante se bem que isso de nada adiante pois lá mais além eu retomo o que tenho dito repito e repito até você me abandonar e nada tem significado o que importa se é que algo importa são as nossas namoradas aquelas criaturas belas mas temperamentais que nos dão sustentação que nos fazem sentir amados mesmo sendo execráveis pobres barrigudos carecas tarados ogros abomináveis piores que o shrek e mesmo as abandonando nos finais de semana pra escrever pra ver futebol na tv pra ir sabe-se lá pra onde pro fim rumo certo pro futuro mais direto impossível apenas regredindo voltando à estaca zero onde eramos pobres bebês e não bebíamos desgraças mas mamadeiras e mordíamos os seios de nossas mães como se fossem romãs e não o mármore frio das líricas gregas pois é isso meu bem é o que quero é o que terei não partirei não conseguirei sobreviver não levarei a carteira de identidade teus seios inda estão nas minhas mãos quase de meia idade se bem que ainda pago meia nos lugares e quando puder te levarei a um cinema pra fingirmos que somos jules e jim

2 comentários:

  1. Cara, tu é foda! isso é bom demais, vc consegue me fazer rir chorando de catarse...
    Poeta maldito, "malamado", malemolente, malfeitor, malfeito, que foi com o vento e perdeu o acento.
    ADORO! obrigada, bjo.

    ResponderExcluir
  2. eu q agradeço a visita! volte sempre dona atriz poetisa cantora fotógrafa..
    beijão...

    ResponderExcluir