Loading...

It's been a hard days night!

Têm dias em que a noite é foda.


07 agosto 2009

OLHO de GATA

(para Lêlé, minha gatinha...) Parte I Era uma vez uma gata xadrez empoleirando-se sobre a mesa. Não que eu tenha certeza, mas ela me olhava meio de esguelha como quem caça. Os belos olhos da gata estavam arregalados, bastante iluminados e com uma ponta de brilho no canto inferior, onde eu, o pobre ratinho branco, me via refletido. Permaneci em pé e sem um pingo de medo, fiquei apenas correspondendo o que de mim se esperava: no meio do peito enorme flechada. Ela emitia sinais inequívocos de interesse no material, a saber: A língua que lambe o lábio, os pêlos todos ouriçados além dos olhares já citados. E também não era pra menos, um espécime estonteante: pele alva, contornos bem feitos, as prendas nos seus devidos lugares. Ou seria possível que só estivesse com frio, absorta na profundidade quase impenetrável da penugem? Pensei em oferecer o meu mais profundo abraço, envolvê-la no aconchego do meu colo lhe acariciando a fronte suplicante; enfim, de fazê-la sentir segura debaixo daquele teto de várias possibilidades. À princípio, exitei. Inventei a mim mesmo 17 desculpas para desfazer meus planos iniciais, desviando-me a cada momento do alvo primordial. Refleti, conjecturei, levei às últimas conseqüências e acabei decidindo por observá-la à distância, um pouco mais. Mas por fim não resisti, lenta e graciosidade me aproximei. Puxei a cadeira, sentei e a encarei profundamente, a sobrancelha esquerda levantada e nenhum movimento largo. Ela recuou um pouco, assustada. Acho que não esperava a minha iniciativa. Receosa, cabisbaixa, o olhar ainda de lado, era a um só tempo arisca e domesticada. No entanto, a gatinha tocou de leve a minha mão, abandonou o que talvez fosse apenas um vão de recato. A mim me admirava o semblante da felina: magnífica! Um quê de tímida, mas as barbatanas em alerta. Senti imediatamente um alívio e me deixei entorpecer pelo contato. Sorri, e foi precisamente nesse momento que uma dúvida me invadiu a alma: seria ela uma bichana muito calma?

Nenhum comentário:

Postar um comentário