Loading...

It's been a hard days night!

Têm dias em que a noite é foda.


21 setembro 2008

Em Tempos de Cólera

Com muita alegria queremos comunicar que fomos vencedores da eleição para o CAL!!!!!!!!!!!! Agradecemos todos os votos, a diferença foi significativa. Obrigado a todos os membros da chapa, aos que dispensaram tempo no processo de eleição e aos que de qualquer maneira estiveram envolvidos com isso tudo. Agora é trabalhar para a concretização das nossas propostas.
Estarei lá na área de cultura, qualquer coisa dêem um grito!!!!!!!!!!!!

18 setembro 2008

Bastidores "Coração Solitário"

Larissa Sant'Anna Fernandes (som) e Rafael Rébulli (câmera) Claudionei (ass. produção) Evelise (ass. produção) Paulinho (ass. produção); Regina Vogue Paulo de Tarso "Blindness" (som) e Rafael Rébulli Paulo e Cristiane Senn (direção de produção) Regina Vogue Ana "Pimentinha" Deliberador (direção de arte, figurinos, maquiagem) Eu, Rafa e Raquel Belle (produção de locação) Fernanda Oliveira e Luana Roloff Idem Regina Making of Cristiane "dangerous" Senn Luísa "Baiana" (infra) e Cris no preparo do sopão... Set Bruno Saling (continuidade); Cena "Laços de Família" Regiane Bressan (direção de fotografia) e eu Making Of (sopa)... Regina Vogue e eu Claudionei de "Regina Vogue" Regina Rafa, Maurício Aguiar (produção executiva e ass. direção), Regiane e Juliana Cristina (ass. fotografia) Sheilly Caleffi (preparação de atores) Fotos: Rodney Miyakawa

05 setembro 2008

VOS-CONVIDO-VOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES Coordenação do Curso de Letras SEMANA DE LETRAS 2008 I SIMPÓSIO DE ESTUDOS LINGÜÍSTICOS E LITERÁRIOS SESSÕES DE COMUNICAÇÃO Sessão 6 Sexta-feira, 26.09.08 – 9h50-12h00 Sala: 1009 10h40-11h05 CARNEIRO, Cesar Felipe Pereira ADAPTAÇÕES LITERÁRIAS PARA O CINEMA DA RETOMADA: O CASO DE CIDADE DE DEUS E O SUCESSO DA REPRESENTAÇÃO DA VIOLÊNCIA JUNTO AO GRANDE PÚBLICO O Cinema da Retomada é o nome pelo qual é chamado o período de, mais ou menos, 1993 até os dias atuais. Ao invés de um movimento, pode-se afirmar que corresponde a um momento da produção cinematográfica nacional. Imersa nesse contexto, a violência desponta como “a” questão mais urgente da fase atual, pois as obras fílmicas baseadas em livros e que a trazem por tema vêm obtendo significativo destaque nos festivais mais importantes do mundo, recorde de público (entre os filmes brasileiros) no parque exibidor nacional e relativa ressonância reflexiva na sociedade contemporânea. Com base na idéia de que vivemos a Era da Imagem, procurar-se-á discutir os desafios no processo de adaptação do romance "Cidade de Deus" (1997), de Paulo Lins, para a grande tela, levando-se em conta as particularidades de cada linguagem (a literária e a cinematográfica), sem perder de vista o papel que as adaptações cumprem em um país cuja população lê pouco: primeiramente, o filme estabelece um contato mais efetivo das pessoas com a realidade de seu país, ao representar as angústias, as cores, as dores, os costumes, enfim, a identidade nacional brasileira; e, após essa “introdução” audiovisual, verifica-se um aumento interessante no número de leitores do texto que lhe deu origem. Ao lançar luz sobre o processo de transposição de um meio semiótico para outro, no que ele logra, onde estão os "acertos" e onde ocorrem as perdas (inevitáveis) ao fazê-lo, será possível apontar onde reside a importância do filme “Cidade de Deus” (2002), de Fernando Meirelles, na construção de uma expressão única em meio à pluralidade dascinematografias espalhadas pelo globo.