Loading...

It's been a hard days night!

Têm dias em que a noite é foda.


13 junho 2008

DESMUNDO, de Alain Fresnot, 2003

A personagem vivida pela atriz Simone Spoladore é uma das órfãs enviadas pela rainha de Portugal com o intuito de desposarem os primeiros colonizadores no Brasil. Ela é obrigada a casar-se com Francisco Albuquerque, personagem vivido por Osmar Prado, e a viver em seu engenho de açúcar. É aproximadamente 1570. A sensível jovem portuguesa pede um tempo ao marido para que possa vir a cumprir suas “obrigações” matrimoniais. Contudo, ele a estupra, numa das cenas mais revoltantes do filme. Ela se vê obrigada a fugir, e chega próximo aos navios que a levariam de volta a Portugal, mas alí novamente tentam estuprá-la. Isso apenas não ocorre, porque seu marido nota sua falta e chega ao local no exato momento do ocorrido. Francisco mata três tripulantes do navio que tentavam fazer mal a sua esposa. Diante do fato de ela ter tentado fugir, ele passa a acorrentá-la num pequeno cômodo da casa, onde a única companhia da pobre jovem é uma índia que lhe leva medicamentos para curar-lhe os ferimentos produzidos pelas correntes que lhe prendem os pés. Mesmo sob a ameaça que se voltar a fugir irá ser morta pelo marido, a jovem novamente o tenta: disfarça-se de homem e acaba por cair nos braços daquele por quem se apaixona de verdade, personagem também português interpretado por Caco Ciocler. O aspecto que mais chama a atenção no filme é o português arcaico das falas e, por esta causa, a necessidade de ter de valer-se de legendas para poder compreender integralmente o que é dito. O filme tem em vista se aproximar bastante da realidade da época: o Brasil colônia. É uma obra historicamente importante, obrigatória a todos nós brasileiros que gostaríamos de conhecer um pouco mais a respeito da gênese de nossa cultura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário